Delia Fischer

Saudações Egberto

Delia Fischer saúda Egberto Gismonti em disco

Delia Fischer sempre sonhou em revisitar a obra de Egberto Gismonti. Mas revisitar mesmo: vestir os temas com novos arranjos, encomendar letras para clássicos, carimbar com as suas digitais a produção do multiinstrumentista e compositor. O CD Saudações Egberto é o resultado de um sonho. Não por acaso, “O sonho”, de 1969, foi escolhido para abrir o disco. “Foi ano da chegada do homem à lua. Apesar de tudo, a música continua atual. Sacha Amback participa lindamente fazendo um interlúdio eletrônico”, lembra ela sorridente.

O lançamento foi feito em 2011 durante uma temporada na Arena do Espaço SESC em Copacabana. Acompanharam Delia: Pedro Guedes (violão, baixo e violão tatu), Pedro Mibielli (violino, cellolino, bandolim, guitarrinha e rabeca) e Naife Simões (percussão, bateria, flugelhorn e percussão vocal) – a mesma banda do estúdio, por onde ainda passaram Paulinho Moska e o homenageado, Egberto Gismonti. Moska canta com ela a faixa “Um outro olhar / (Pêndulo)”, cuja letra foi encomendada a Ronaldo Bastos especialmente para o disco, e Egberto toca o seu violão de dez cordas na faixa-título, parceria dele com Paulo César Pinheiro.

Para escolher o repertório, Delia escutou novamente todos os discos do mestre, “que são ainda incrivelmente atuais e instigantes e me fizeram querer tocar, compor e entrar no universo musical, com a grande vantagem de poder agora realizar com maturidade e colocar um pouco da minha própria visão”. Ela dedicou especial atenção à primeira fase da produção musical do compositor, a mais “popular”, dos anos 1970 e 1980, quando ele usava fartamente o formato canção, com letra ou instrumental. “Egberto é um músico que possui todas as ferramentas para a criação de obras sinfônicas, canções e ainda tem o dom da improvisação, como os grandes mestres do século XIX. Isso tudo aliado a seu profundo conhecimento da música universal e mantendo o foco no Brasil”, diz.

Delia Fischer